4 de março de 2017

Quer mandioca? Coma cenoura, fica igual!

Olá! Tudo bem? Vamos falar um pouco sobre a relação entre comida, cultura e inteligência?

Comida reflete a cultura do país


Sei que muitos dos meus seguidores acreditam que a comida reflete a cultura de um certo país ou de uma certa época. Por exemplo, as palavras e frases como "pão francês", "mandioca", "pudim de leite", "bem-casado", "brigadeiro", "cachaça", "açaí", "catupirí" ou "tapioca" sem dúvida criam algumas associações com o Brasil. Já as palavras como "blini", "smetana", "xí", "tvorog", "kvas", "tarhun", "sírniki", "mannik", "olivier" ou "estrogonofe" parecem algo a ver com a Rússia. Eu presto mais atenção nas palavras, porque trabalho com línguas, mas há muitos aspectos nos quais nós podemos perceber essa relação entre a comida e a cultura. 

Lendo sobre a comida nacional, aprendemos sobre o país e... 


Aprendendo sobre a culinária de algum país, nós melhoramos o conhecimento sobre a cultura dele. Mas além disso, eu acho que lendo sobre comida típica, aumentamos o nível da nossa inteligência. Como isso funciona? 

A pessoa que coleciona receitas, digamos, de São Tome ou da Índia, não procura somente o jeito de fazer algo gostoso. Ela quer saber da história dos pratos, das propriedades dos ingredientes, dos costumes relacionados com a comida e aprende diversos fatos. Por exemplo, ela pode ler sobre um tempero ou uma fruta que não estão presentes no país dela e junto com isso aprender mais sobre a geografia do lugar, o efeito de certos elementos sobre o corpo humano, um pouco de botânica talvez e um pouco de língua estrangeira (analisando o nome deste ingrediente).

Além disso, cada vez que você segue uma receita nova, você desenvolve as suas habilidades de classificar e comparar, a sua memória, atenção e persistência. Pensando em detalhes, você busca a perfeição. 

Concordam com isso?

Se fosse tudo mesma coisa, não haveria pratos nacionais


Agora tem outro tipo de leitor. Infelizmente, várias vezes eu o encontro aqui no meu blog. Recebo alguns comentários incríveis, entre os quais os mais típicos são as sugestões de como se pode mudar a receita. Totalmente loucas essas sugestões, disculpem por dizer. 

Por exemplo, fazer pudim de semolina sem semolina ou kasha de trigo sarraceno com quinoa em vez de trigo sarraceno. Eu entendo que às vezes é difícil achar o ingrediente necessário. Mas é uma coisa substituir algo secundário... Já tirar o ingrediente principal ou típico do prato é outra coisa, né. Imagino que ninguém pensa em fazer bolo de banana com laranjas. Primeiramente, bolo de banana feito de qualquer coisa que não seja bananas não é bolo de bananas. Em segundo lugar, se você só procura mudar a receita assim que ela fique mais parecida com algo que você normalmente faz no seu país, qual é o sentido de ler algo sobre a culinária da Rússia, Japão, China ou qualquer outro país que seja? Meu blog se chama "Comida Russa de Verdade". De verdade, autêntica.

Sem falar que se todo mundo usasse os mesmos ingredientes e os mesmos jeitos de cozinhar, o mundo inteiro iria comer a mesma coisa e não haveria nenhum prato nacional. 

Sendo espertão você não aprende nada


Fico surpresa também, quando uma pessoa entra no blog de uma russa (nesse caso eu) para aprender como se faz algum prato ou ingrediente russo, mas já sabe tudo melhor do que o autor! 

No meu artigo com receita de smetana caseira eu indiquei que o ingrediente principal é creme de leite. Mesmo assim recebi um comentário dizendo, "Faço de kefir, fica igual!" 😑 Não adianta eu escrever do que se faz a smetana. Mas o que dá ainda mais raiva é que eu tenho 99,9% de certeza que a pessoa nem sabe "igual" a que fica a tal smetana dela, porque ela nunca comeu o molho autêntico. Sem falar que não há nenhuma garantia que o kefir dela é o kefir verdadeiro e não alguma coisa parecida. Já ouvi várias vezes pessoas chamando de kefir algo que não é (um iogurte, leite azedo, prostokvasha etc.).

O que a pessoa ganha, lendo o meu blog ou qualquer outro material cultural desse jeito?

Finalmente, tem gente também que me ensina (!) o que na verdade são os ingredientes dos pratos russos, como é o sabor deles e como fazer certos tipos de comida. Entenderia se fossem russos ou especialistas em cultura russa, mas são brasileiros e maioria deles nem visitaram a Rússia ou visitaram uma vez na sua vida. Mesmo assim, já correm para me informar, "Ah, eu conheço o tvorog! É mesma coisa que a ricota". Muito obrigada por me indicar, mas se fosse a mesma coisa, será que eu iria falar tanto desse ingrediente e explicar as diferenças entre ele e a ricota no artigo que você comentou? 

Para quem parece tudo mesma coisa, eu sugiro fritar cenoura em vez de mandioca. Fica ingual! Ou quando quiser tomar café, use suco de cereja em vez de água. Vai ficar igualzinho.

Acho que não vale a pena seguir meu blog para quem tem esse tipo de pensamento. Por isso resolvi nunca mais publicar ou responder os comentários assim que descrevi aqui. Quando tiver tempo, apagarei todos eles. 

Resumindo, queria agradecer meus leitres que gostam de prestar atenção em detalhes 😉 Com vocês eu sempre cresço 💓

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você quer deixar um comentário, por favor comente sobre o assunto do artigo. Obrigada!